25.1 C
Itapipoca

Nós Itapipoca

Auxílio emergencial em 2021 não voltará no formato de antes, diz líder do Governo

Barros explicou ainda que os Ministérios da Cidadania e da Economia estão analisando como será esse novo auxílio emergencial em 2021, tendo em vista que deve se encaixar no plano fiscal do governo.

mais lidas

Em entrevista ao jornal Valor Econômico, o líder do governo na Câmara dos Deputados, Ricardo Barros (PP), disse que o auxílio emergencial não deve voltar a ser pago da mesma forma que aconteceu em 2020. Para ele, o governo precisa revisar a forma de pagamento do benefício.  

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

“Não temos mais decreto de calamidade pública e orçamento de guerra. Isso pressupõe que não teremos auxílio emergencial no formato que foi entregue. O governo vai atender as pessoas que não estão podendo desempenhar sua atividade econômica por conta da pandemia, mas hoje são muito menos pessoas que dependem de fato. O atendimento não pode ser individual. Tivemos quatro pessoas da mesma família recebendo. É preciso haver revisão“, analisou Barros. 

Novo auxílio em análise

Além disso, Barros explicou ainda que os Ministérios da Cidadania e da Economia estão analisando como será esse novo auxílio emergencial, tendo em vista que deve se encaixar no plano fiscal do governo. Quanto a isso, Barros mostrou otimismo sobre a aprovação da proposta. 

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

“O desenho inicial era criar espaço fiscal a partir da PEC Emergencial. Esse é um caminho, mas equipe econômica e Parlamento podem ter outras ideias. Havendo equação harmônica, rapidamente a proposta passa”, apostou Barros. 

Com o fim do auxílio emergencial em dezembro do ano passado, vários projetos no Congresso Nacional foram desenvolvidos para substituir. Ao todo, nove projetos foram apresentados no Congresso Nacional (Câmara dos Deputados e Senado Federal) para apreciação dos parlamentares. Apesar de buscar o mesmo objetivo, os projetos têm detalhes distintos, como os prazos de extensão do benefício. 

Confira nove projetos que propõem a prorrogação do benefício

Câmara dos Deputados  

Projeto de Lei 5.509/20  

  • Valor da parcela: R$ 600 
  • Validade: Até 31 março de 2021 
  • Situação: Aguardando despacho do presidente da Câmara 

De autoria do deputado Pompeo de Mattos (PDT-RS), o Projeto de Lei 5.509/20 busca prorrogar o pagamento do auxílio emergencial com parcelas de R$ 600 até o fim de março deste ano.  

Segundo o autor, o benefício serviria para “garantir dignidade a milhões de brasileiros sem emprego”.  

“Nesse momento tão difícil da vida do País e dos brasileiros, cabe ao Congresso Nacional exercer seu papel com responsabilidade e altivez, propondo iniciativas que possam nos conduzir para a saída desta grave crise sem sobressaltos institucionais”, ressalta Pompeo. 

Projeto de Lei 5.536/20 

  • Valor da parcela: R$ 600 
  • Validade: Até 31 março de 2021  
  • Situação: Aguardando despacho do presidente da Câmara 

Com uma proposta semelhante, o Projeto de Lei 5.650/20 busca prorrogar o auxílio até o dia 31 de março, com parcelas no valor de R$ 600.  

“É a única ação eficaz adotada para proteger a renda dos trabalhadores, que garante a segurança alimentar das famílias e gera impactos positivos na atividade econômica”, defendeu o deputado André Janones (Avante-MG) 

Projeto 5.650/20 

  • Valor da parcela: R$ 600 
  • Validade: Até 30 abril de 2021 
  • Situação: Aguardando despacho do presidente da Câmara 

Criado pelo deputado Chiquinho Brazão (Avante-RJ), o projeto também busca a prorrogação do benefício, mas até o final de abril de 2021.  

“As famílias brasileiras ainda precisam de ajuda do Poder Público para continuar sustentando seus lares”, afirmou Brazão. 

Projeto de Lei 5.514/20 

  • Valor da parcela: R$ 600  
  • Validade: Até 30 junho de 2021 
  • Situação: Aguardando despacho do presidente da Câmara  

Pelo texto do Projeto de Lei 5.514/20, do deputado Fábio Henrique (PDT-SE), o auxílio seria prorrogado até 30 de junho de 2021, com parcelas de R$ 600. Os pagamentos, contudo, dependeriam da prorrogação do estado de calamidade no País. 

“O pagamento do auxílio emergencial consecutivo possibilitará que a economia do País não entre em colapso na depressão causada pela pandemia de Covid-19”, 

Projeto de Lei 4.715/20 

  • Valor da parcela: R$ 300  
  • Validade: Permanente 
  • Situação: Incorporado ao PL 4856/2019, que aguarda parecer do relator na Comissão de Seguridade Social e Família (CSSF).  

O projeto do deputado Jesus Sérgio (PDT-AC) busca criar um projeto permanente para substituir o auxílio emergencial. O pagamento seria através de parcelas de R$ 300 e seria destinado a brasileiros maiores de 18 anos com renda familiar mensal per capita igual ou inferior a meio salário mínimo.  

O projeto limitaria dois benefícios por família. 

Senado  

Projeto de Lei 5495/20 

  • Valor da parcela: R$ 300 ou R$ 600  
  • Validade: Até 31 de março de 2021 
  • Situação: Enviado à publicação em Plenário 

Criado pelos senadores Alessandro Vieira (Cidadania-SE) e Esperidião Amin (PP-SC), o projeto estenderia o estado de calamidade até março de 2021 e instituiria um pagamento de R$ 300 ou R$ 600 dependendo da “condição do beneficiário”.  

Projeto de Lei 2.920/20 

  • Valor da parcela: R$ 600  
  • Validade: 5 meses após aprovação 
  • Situação: Aguardando avaliação e discussão em Plenário 

O texto do projeto da senadora Zenaide Maia (PROS-RN) prevê ampliar o pagamento do auxílio emergencial em até 5 meses após a provação do projeto.  

Projeto de Lei 5.494/20 

  • Valor da parcela: R$ 600 
  • Validade: Até 30 de junho de 2021 
  • Situação: Aguardando avaliação e discussão em Plenário 

Segundo o projeto criado pelos senadores Rogério Carvalho (PT-SE) e Paulo Rocha (PT-PA), o auxílio emergencial precisaria ser estendido até o fim do primeiro semestre de 2021, com parcelas mensais no valor de R$ 600 e também incluiria trabalhadores da cultura e agricultores familiares. 

Ampliação da Medida Provisória 1.000/20 

  • Valor da parcela: R$ 600  
  • Validade: Até 31 de março ou 30 junho de 2021  
  • Situação: Sugerido para análise de “forma extraordinária” 

No fim do ano passado, o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) sugeriu que o Congresso Nacional fosse convocado de “forma extraordinária” para analisar a ampliação do período de validade da MP 1.000/20, que criou o auxílio emergencial.  

A ampliação poderia ser feita até 31 de março ou 30 de junho deste ano. As parcelas seriam de R$ 600. 

Fonte: Diário do Nordeste

COMENTE

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

últimas notícias

Enviar mensagem
1
Fale conosco
Envia sua notícia ou denúncia para a nossa equipe de jornalismo!