Região produtora de frutas, Vale do Curu ganha nova barragem

De acordo com o governo do Estado, o novo açude terá capacidade de para 27,3 milhões de m3, o que equivale a 27,3 bilhões de litros

Publicidade

Mais lidas

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

A região do Vale do Curu comemora a inauguração de um importante equipamento contra a seca: a barragem no rio Melancia, entre as cidades de São Luís do Curu e São Gonçalo do Amarante, que deve ser entregue em breve. O equipamento é fundamental para a região, sede de dois perímetros irrigados e importante produtora de coco no Ceará, e que enfrenta um histórico de seca nos anos recentes, tendo inclusive sua água limitada para o consumo humano em 2014.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

A iniciativa foi uma sugestão do deputado federal Danilo Forte (PSDB), acatada pela Secretaria de Recursos Hídricos do Estado. O parlamentar milita pela construção do equipamento desde 2014, quando foi relator-geral da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) do ano seguinte.

De acordo com o parlamentar, a construção é fundamental para a região, que tem um histórico de escassez hídrica. Além disso, ele será importante no desenvolvimento econômico da região. De acordo com a ficha técnica da barragem, a expectativa é de que as águas sejam utilizadas para irrigação e a piscicultura. “São Gonçalo do Amarante é sede do Complexo Industrial e Portuário do Pecém. Por isso, trata-se de uma região economicamente muito relevante para o Ceará. Tenho certeza de que esse novo açude será uma oportunidade para o desenvolvimento de novas atividades em uma região bastante dinâmica”, declara o parlamentar.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

De acordo com o governo do Estado, o novo açude terá capacidade de para 27,3 milhões de m3, o que equivale a 27,3 bilhões de litros. A obra chega em um momento delicado para a situação hídrica do Ceará. Apesar das boas chuvas no começo deste ano, pelo menos metade dos açudes do Ceará têm menos de 30% de sua capacidade total, e apenas um – o Caldeirões, na região Centro-Sul – possui mais de 90% de sua capacidade total. Como foi noticiado recentemente pela imprensa, não se trata de um problema novo: Dos cinco maiores açudes do Ceará – Castanhão, Orós, Barnabuiú, Figueredo e Araras -, apenas o último está com mais de 30% da capacidade. Os outros vêm perdendo carga hídrica há pelo menos uma década.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas notícias

Conteúdo protegido!

 

Você não tem permissão para copiar/reproduzir nosso conteúdo!

Enviar mensagem
1
Fale conosco
Envia sua notícia ou denúncia para a nossa equipe de jornalismo!