Inflação oficial registra deflação em junho, a primeira queda do ano

Alimentação e transportes são os principais responsáveis pela redução nos preços

Publicidade

Mais lidas

No mês de junho, o Brasil registrou uma deflação, ou seja, uma queda nos preços, de acordo com os dados divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A inflação oficial, medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), ficou em -0,08%, sendo a primeira vez no ano que o índice fica abaixo de zero. A última vez em que a inflação apresentou queda foi em setembro do ano passado.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

Esse resultado representa o quarto mês consecutivo em que a inflação perde força. Em maio, o IPCA foi de 0,23%. No acumulado do ano, o índice soma 2,87% e, nos últimos 12 meses, 3,16%, abaixo dos 3,94% observados nos 12 meses anteriores.

Os grupos que mais contribuíram para a deflação em junho foram alimentação e bebidas (-0,66%) e transportes (-0,41%), que tiveram impacto de -0,14 e -0,08 ponto percentual no índice geral, respectivamente.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

A queda nos preços dos alimentos foi influenciada pelo recuo nos preços da alimentação em casa (-1,07%). Itens como óleo de soja (-8,96%), frutas (-3,38%), leite longa vida (-2,68%) e carnes (-2,10%) apresentaram redução nos preços. Já a alimentação fora de casa teve um aumento de 0,46%, porém, com menos intensidade em relação ao mês anterior.

No setor de transportes, a redução de preços foi motivada pela queda nos preços dos automóveis novos (-2,76%) e usados (-0,93%). Essa queda está relacionada ao programa de descontos para compra de veículos novos, lançado pelo governo federal em junho.

Outro destaque foi a queda nos preços dos combustíveis (-1,85%), com redução nos preços do óleo diesel (-6,68%), etanol (-5,11%), gás veicular (-2,77%) e gasolina (-1,14%). A gasolina, que tem o maior peso individual no IPCA, teve um impacto de -0,06 ponto percentual.

Por outro lado, o grupo Habitação teve a maior contribuição para a pressão de preços para cima, com aumento de 0,69% e impacto de 0,10 ponto percentual. A energia elétrica residencial (1,43%) e a taxa de água e esgoto (1,69%) foram os principais responsáveis por esse aumento, devido aos reajustes aplicados em algumas regiões do país.

Além disso, o IBGE também divulgou o Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), que teve uma queda de 0,10% em junho, a primeira deflação desde setembro de 2022. O INPC abrange o custo de vida para famílias com rendimento de um a cinco salários mínimos.

Esses resultados indicam que a inflação está perdendo força no país, o que pode ser um reflexo da desaceleração da economia e da redução dos preços de alguns produtos. No entanto, é importante acompanhar os próximos meses para verificar se essa tendência de deflação se mantém e quais serão os impactos na economia brasileira.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas notícias

Conteúdo protegido!

 

Você não tem permissão para copiar/reproduzir nosso conteúdo!

Enviar mensagem
1
Fale conosco
Envia sua notícia ou denúncia para a nossa equipe de jornalismo!