Ministro da Educação anuncia início do pagamento de incentivo a estudantes pobres em março

Programa visa beneficiar 2,5 milhões de jovens, com pagamento mensal e anual condicionado a frequência e desempenho escolares.

Publicidade

Mais lidas

O ministro da Educação, Camilo Santana, revelou nesta terça-feira (9) que o governo planeja iniciar o pagamento do incentivo aos estudantes carentes do ensino médio a partir de março. A medida aguarda a sanção do presidente Luiz Inácio Lula da Silva após a aprovação da Medida Provisória (MP) pelo Congresso Nacional em dezembro do ano passado. O valor individual do benefício será detalhado em regulamentação.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

“Nós estamos trabalhando para que, a partir de março, os estudantes já comecem a receber o pagamento. Esse é o calendário, estamos trabalhando porque isso envolve Caixa Econômica Federal, envolve também os estados, para que a gente possa executar esse programa”, afirmou o ministro durante entrevista no Palácio do Planalto, após uma reunião com o presidente da República.

O programa, previsto na MP, destina o incentivo a estudantes cadastrados no Cadastro Único de Programas Sociais (CadÚnico), beneficiários do Bolsa Família ou jovens de 19 a 24 anos matriculados no programa Educação de Jovens e Adultos (EJA). Estima-se que cerca de 2,5 milhões de jovens serão contemplados.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

O incentivo será composto por dois tipos de auxílio: o primeiro, pago mensalmente por nove meses ao ano, com saque a qualquer momento; o segundo, anual, será concedido ao final de cada ano letivo, com saque permitido após a conclusão do ensino médio. Os beneficiários deverão manter uma frequência escolar mínima de 80%, sem reprovação, e participar de exames como o Sistema de Avaliação da Educação Básica (Saeb) e o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem).

A adesão ao programa e a verificação da frequência e desempenho escolares ficarão a cargo dos governos estaduais. Os recursos para financiar a iniciativa virão dos superávits financeiros do Fundo Social (FS), originado pela exploração do pré-sal. O programa, denominado Poupança de Incentivo à Permanência e Conclusão Escolar para Estudantes do Ensino Médio público, recebeu uma transferência de R$ 6,1 bilhões do Ministério da Fazenda no mês passado.

Além disso, o ministro Camilo Santana abordou o projeto de lei que propõe mudanças no novo ensino médio. Ele defendeu que o Congresso leve em consideração as contribuições da consulta pública realizada ao longo do ano passado e que o texto final respeite as diversas instituições envolvidas na construção do projeto. A votação do relatório foi adiada para este ano, e o ministro expressou a intenção de retomar o diálogo com os responsáveis pelo processo legislativo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas notícias

Conteúdo protegido!

 

Você não tem permissão para copiar/reproduzir nosso conteúdo!

Enviar mensagem
1
Fale conosco
Envia sua notícia ou denúncia para a nossa equipe de jornalismo!