Realidade alarmante: Jovens brasileiros entre 15 e 29 anos enfrentam crescente exposição à violência e precárias condições de trabalho

Pesquisa da Fiocruz revela índices alarmantes de agressões e desafios enfrentados pela juventude, apontando lacunas críticas na atuação do Estado

Publicidade

Mais lidas

Os jovens brasileiros, especialmente aqueles com idades entre 15 e 29 anos, estão enfrentando uma realidade preocupante marcada por altos índices de violência física, psicológica e sexual, conforme revelado pela Pesquisa Nacional de Saúde (PNS/IBGE) de 2019. Mais de um quarto dos jovens (27%) afirmou ter sido vítima de algum tipo de agressão nos 12 meses anteriores à pesquisa, destacando-se como um grupo altamente vulnerável.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

Os dados são ainda mais alarmantes ao comparar as taxas de violência nessa faixa etária com a população adulta. Em 2019, a taxa de violência para jovens de 15 a 29 anos foi 2,07 vezes maior, atingindo 307,52 casos para cada 100 mil pessoas. Entre os adolescentes de 15 a 19 anos, a situação é ainda mais grave, com 397 casos para cada 100 mil habitantes.

O relatório “Panorama da Situação de Saúde dos Jovens Brasileiros de 2016 a 2022”, divulgado pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) nesta segunda-feira (11), destaca que a faixa etária dos jovens-adolescentes forma o principal grupo de vítimas de violência em todas as regiões do Brasil.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

Além dos dados da PNS, o estudo compila informações da Pesquisa Nacional de Amostra Domiciliar Contínua (Pnad/IBGE) e apresenta resultados inéditos do Sistema Único de Saúde (SUS). A pesquisa revela que, à época das entrevistas, a população de 15 a 29 anos correspondia a 23% dos brasileiros, totalizando 49 milhões de pessoas.

O panorama também destaca a relação entre trabalho e saúde, revelando que 70,1% dos jovens entre 18 e 24 anos estão envolvidos na força de trabalho, muitas vezes em condições precárias. A carga de trabalho intensa, aliada à sobreposição de trabalho e estudo, impacta negativamente na saúde mental e física dos jovens.

O estudo revela que a possibilidade de um homem jovem morrer é quatro vezes maior do que uma mulher, sendo as causas externas, relacionadas a violências e acidentes de trânsito, as principais responsáveis por essas estatísticas preocupantes.

Diante desses dados alarmantes, o relatório da Fiocruz destaca a necessidade urgente de políticas de saúde voltadas para a juventude, visando enfrentar os desafios e lacunas identificados, e chama a atenção para a importância da sistematização dessas ações para preencher as atuais falhas na atuação do Estado.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas notícias

Conteúdo protegido!

 

Você não tem permissão para copiar/reproduzir nosso conteúdo!

Enviar mensagem
1
Fale conosco
Envia sua notícia ou denúncia para a nossa equipe de jornalismo!