Brasil lidera estatísticas globais de casos de dengue, com 2,9 milhões em 2023, alerta OMS

Mudanças climáticas impulsionam proliferação do Aedes aegypti e elevam número de casos graves; vacinação incorporada ao SUS busca conter avanço da doença.

Publicidade

Mais lidas

O Brasil assume a liderança mundial no número de casos de dengue em 2023, registrando 2,9 milhões de infecções, conforme relatório divulgado pela Organização Mundial da Saúde (OMS). Este total representa mais da metade dos 5 milhões de casos globalmente reportados. Em um alerta emitido nesta sexta-feira (22), a OMS destaca a disseminação da doença para países historicamente não afetados.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

A crise climática emerge como uma das principais causas desse aumento alarmante. O aquecimento global eleva as temperaturas, proporcionando condições ideais para a sobrevivência do mosquito transmissor, o Aedes aegypti, em áreas onde anteriormente não prosperava. O fenômeno El Niño de 2023 intensificou ainda mais os efeitos das mudanças climáticas.

Em todo o mundo, a OMS notificou mais de 5 milhões de infecções por dengue, resultando em 5 mil mortes. A região das Américas concentra 80% desses casos, totalizando 4,1 milhões, com o Brasil liderando, seguido por Peru e México. Os dados abrangem o período de 1º de janeiro a 11 de dezembro.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

No contexto brasileiro, 0,05% dos casos são de dengue grave, com 1.474 registros, colocando o país como o segundo na região, atrás apenas da Colômbia. Países antes isentos da dengue, como França, Itália e Espanha, agora relatam casos de transmissão autóctone.

Um levantamento da plataforma AdaptaBrasil, vinculada ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) em parceria com a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), revela que as mudanças climáticas no Brasil podem propiciar a proliferação do Aedes aegypti, agravando arboviroses como dengue, zika e chikungunya. A plataforma também projeta a expansão de outras doenças, como malária e leishmanioses.

A chegada da vacina Qdenga ao Sistema Único de Saúde (SUS), anunciada nesta quinta-feira (21), marca um marco histórico. O Brasil é o primeiro país a oferecer a imunização de forma universal. A ministra da Saúde, Nísia Trindade, esclareceu que a vacina será inicialmente focalizada em públicos e regiões prioritárias, conforme estratégias a serem definidas pelo Programa Nacional de Imunizações (PNI) e pela Câmara Técnica de Assessoramento em Imunização (CTAI).

Em entrevista à Radioagência Nacional, o vice-presidente da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm), Renato Kfouri, ressalta a importância da vacina como instrumento crucial para controlar a propagação da dengue no país, considerando o crescimento da doença em regiões antes não afetadas.

O Ministério da Saúde, em nota, reafirma sua vigilância constante sobre a situação da dengue no Brasil. Com um repasse de R$ 256 milhões para todo o país, a pasta busca fortalecer as ações de combate à doença. A instalação da Sala Nacional de Arboviroses permite o monitoramento em tempo real das áreas com maior incidência, preparando o país para possíveis aumentos nos próximos meses.

O Ministério enfatiza a importância da colaboração da população, incentivando a busca por serviços de saúde ao apresentar os primeiros sintomas. Em 2023, cerca de 11,7 mil profissionais de saúde foram capacitados para manejo clínico, vigilância e controle da dengue, reforçando os esforços no combate à doença.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas notícias

Conteúdo protegido!

 

Você não tem permissão para copiar/reproduzir nosso conteúdo!

Enviar mensagem
1
Fale conosco
Envia sua notícia ou denúncia para a nossa equipe de jornalismo!