Desmatamento no Cerrado ameaça o abastecimento de água no Brasil

Agricultores denunciam impactos devastadores nas nascentes e especialistas alertam sobre a crise hídrica iminente

Publicidade

Mais lidas

Há alguns anos, o período de seca na região do Cerrado brasileiro costumava se estender de agosto a setembro. Hoje, a realidade é bem diferente. Em apenas oito dias, o nível do rio já se encontra drasticamente baixo, deixando a comunidade rural em alerta. A voz de Adão Batista Gomes, um agricultor de 61 anos de idade, ecoa a lamentação que se tornou frequente na região de Formosa do Rio Preto, no oeste baiano.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

Jamilton Santos de Magalhães, conhecido como Carreirinha, líder comunitário em Correntina, também no oeste do estado, relata que a morte das nascentes na região se tornou um fenômeno crescente desde a década de 1990. “O desmatamento começou, e poucos anos depois, o esgotamento das nascentes. Famílias que residem aqui há mais de 200 anos nunca testemunharam essa frequente morte das nascentes antes.”

Essa região é uma das mais afetadas pelo crescente desmatamento do Cerrado, impulsionado principalmente pela expansão da fronteira agrícola do Matopiba, que engloba partes dos estados do Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia. O Cerrado, conhecido como o “berço das águas” do Brasil, abastece oito das 12 bacias hidrográficas mais importantes do país e é o segundo maior reservatório subterrâneo de água do mundo, composto pelos aquíferos Guarani e Urucuia.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

Além de fornecer aproximadamente 70% da água para o Rio São Francisco e 47% para o Rio Paraná, que alimenta a usina hidrelétrica de Itaipu, suas águas são vitais para países vizinhos, incluindo Bolívia, Paraguai, Argentina e Uruguai. No entanto, um estudo publicado pela revista científica Sustainability alertou para os riscos iminentes que o desmatamento do bioma representa para a segurança hídrica e energética do Brasil.

Um dos pesquisadores do estudo, o doutor em Ciências Florestais Yuri Salmona, explicou que as longas raízes das árvores típicas do Cerrado podem atingir profundidades de até 15 metros, tornando o bioma uma verdadeira “floresta invertida”. Essas raízes desempenham um papel crucial ao levar a água das chuvas para as camadas mais profundas do solo, liberando-a gradualmente durante os períodos de seca.

Yuri alertou que o desmatamento quebra essa dinâmica natural, resultando no escoamento superficial da água, erosão e escassez durante os períodos secos. Além disso, o uso intensivo de água para a irrigação do agronegócio durante as secas agrava ainda mais a situação. “Os agricultores estão inviabilizando o futuro de seus próprios negócios, pois precisamos do Cerrado preservado para continuar fornecendo água”, destacou.

O estudo analisou 81 bacias hidrográficas do Cerrado e constatou que essas bacias perderam, em média, 15,4% da vazão dos rios entre 1985 e 2022. A previsão para 2050 é que essa redução chegue a 34%, mesmo com uma diminuição no desmatamento.

O Brasil continua exportando água virtualmente para China, União Europeia e Estados Unidos por meio da produção de commodities agrícolas, com 49,8% da água consumida no país destinada à irrigação da agricultura, de acordo com a Agência Nacional de Águas (ANA). No entanto, as outorgas para uso de água no Cerrado não são transparentes, e a coordenadora do MapBiomas Cerrado, Ane Alencar, destaca a falta de regulamentação.

Em áreas onde o uso da água é intenso para a irrigação em larga escala, as comunidades locais têm denunciado a redução das vazões dos rios. Em Correntina (BA), em 2017, milhares foram às ruas para protestar contra o uso excessivo de água pelo agronegócio, e em 2018, moradores tentaram impedir a instalação de dragas em rios realizada por fazendeiros.

A coordenadora do Programa Cerrado e Caatinga do Instituto Sociedade, População e Natureza (ISPN), Isabel Azevedo, que apoia comunidades tradicionais do Matopiba, denunciou que o sistema de concessão de outorgas e autorizações de supressão da vegetação na região é irregular e carece de fiscalização adequada.

Em uma audiência pública no Senado em agosto, a ministra do Meio Ambiente, Marina Silva, anunciou a preparação de um novo plano contra o desmatamento do Cerrado, que será submetido à consulta pública em setembro. Marina enfatizou que o plano só terá sucesso com a participação dos estados e a revisão das licenças para desmatamento.

Nossa reportagem buscou o posicionamento da Frente Parlamentar Agropecuária (FPA) e da Confederação Nacional da Agricultura (CNA), representantes do agronegócio, sobre o desmatamento no bioma, mas não obteve resposta até o fechamento desta reportagem.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas notícias

Conteúdo protegido!

 

Você não tem permissão para copiar/reproduzir nosso conteúdo!

Enviar mensagem
1
Fale conosco
Envia sua notícia ou denúncia para a nossa equipe de jornalismo!