Aumento alarmante da miopia em crianças: especialistas alertam para riscos e causas

Uso excessivo de telas e falta de exposição ao ar livre são fatores críticos no aumento da miopia infantil, destacam oftalmologistas.

Publicidade

Mais lidas

Em 2020, cerca de 30% da população mundial era diagnosticada com miopia, sendo que apenas 4% eram classificados como altos míopes – pacientes que superam 5 graus. No entanto, projeções alarmantes indicam que, em 2050, em torno de 50% da população global será considerada míope, e 10%, altos míopes. Esses números são motivo de grande preocupação entre oftalmologistas, pois a miopia está fortemente associada a doenças oculares graves, como o glaucoma e o descolamento de retina, que podem levar à cegueira.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

Em uma entrevista à Agência Brasil, o diretor da Sociedade Brasileira de Oftalmologia, Ian Curi, destacou o aumento preocupante do diagnóstico de miopia em crianças e sua relação direta com o tempo de tela, seja em smartphones, tablets ou televisores. Curi alerta para os casos da chamada “miopia precoce”, quando os sinais do distúrbio aparecem até mesmo em menores de 5 anos, mas deveriam ser observados somente no início da adolescência.

De acordo com o especialista, a máxima repetida no passado continua válida: o tempo de tela deve ser monitorado na infância, e quanto mais longe o dispositivo eletrônico estiver dos olhos da criança, melhor. Curi também aponta outro fator associado à miopia infantil: o confinamento. Crianças que não são frequentemente expostas a ambientes externos naturalmente iluminados têm maior risco de desenvolver o distúrbio.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

A miopia tende a crescer até se estabilizar por volta dos 20 anos. Quanto mais precoce for o diagnóstico, maior a chance de a criança se tornar um adulto com alta miopia, o que aumenta os riscos de doenças oculares graves. Mesmo a cirurgia refrativa para correção de grau não resolve completamente o problema, pois não modifica o tamanho do globo ocular.

Em relação ao uso de telas, Curi destaca que a distância é crucial. Telas maiores tendem a ser posicionadas a distâncias maiores dos olhos, o que é benéfico. Portanto, é importante priorizar telas que fiquem longe dos olhos, e as escolas podem adotar medidas para manter as crianças a uma distância segura das telas.

Além disso, Curi enfatiza que a leitura deve ser feita em ambientes claros e iluminados, evitando a leitura em luz baixa. Quanto à frequência das consultas oftalmológicas em crianças saudáveis, ele recomenda o primeiro exame entre 6 meses e 1 ano de idade, seguido de um exame entre 3 e 5 anos, preferencialmente aos 3 anos, quando é possível detectar problemas precocemente.

Os pais devem estar atentos aos sinais de miopia, que incluem dificuldade para enxergar de longe, aproximação do objeto de interesse e coceira nos olhos. Para prevenir a miopia, a recomendação é limitar o tempo de tela em crianças, seguindo as diretrizes das sociedades de pediatria, que indicam nenhum contato com dispositivos eletrônicos antes dos 2 anos e controle rigoroso do tempo de tela nas diferentes faixas etárias.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas notícias

Conteúdo protegido!

 

Você não tem permissão para copiar/reproduzir nosso conteúdo!

Enviar mensagem
1
Fale conosco
Envia sua notícia ou denúncia para a nossa equipe de jornalismo!