Situação alarmante no Brasil: 1º Relatório Nacional de Demências revela que até 95% dos casos de Alzheimer não são diagnosticados

Fatores como baixa escolaridade e subnotificação contribuem para um cenário preocupante na saúde pública brasileira. Especialistas destacam a importância da prevenção e identificação precoce da doença.

Publicidade

Mais lidas

O Brasil está prestes a receber um alerta preocupante sobre a saúde pública, com a iminente publicação do 1º Relatório Nacional de Demências, programado para o final de 2023. Os dados, adiantados pela médica e pesquisadora Claudia Suemoto, da Universidade de São Paulo (USP), indicam que a quantidade de pessoas não diagnosticadas com a Doença de Alzheimer no país pode variar de 75% a 95%, dependendo da região.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

O relatório, encomendado pelo Ministério da Saúde e coordenado pela professora Cleusa Ferrim, da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), deve apontar que o número de pessoas afetadas pela doença pode atingir cerca de 2,4 milhões. A Doença de Alzheimer é conhecida por sua progressiva perda de memória e afeta majoritariamente pessoas idosas.

A pesquisadora Claudia Suemoto ressalta a alarmante taxa de não diagnóstico no Brasil e destaca a necessidade de conscientização sobre o Alzheimer, combatendo estigmas associados à doença. A campanha de 2023 para o Mês de Conscientização para o Alzheimer, com o tema “Nunca é cedo demais, nunca é tarde demais”, enfatiza a prevenção como principal foco.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

O professor Einstein de Camargos, da Universidade de Brasília (UnB), explica que o diagnóstico precoce oferece mais possibilidades de intervenção, não apenas com medicamentos, mas também com terapias cognitivas, estimulação, terapia ocupacional e exercício físico, retardando o progresso da doença.

Um dos fatores de risco mais destacados pelos especialistas é a baixa educação, que é considerada um fator modificável para os quadros demenciais, como a Doença de Alzheimer. Melhorar a qualidade da educação no Brasil é visto como uma medida transformadora para a saúde da população.

A resistência aos efeitos da doença está relacionada à reserva cognitiva que uma pessoa possui, e a estimulação cognitiva ao longo da vida desempenha um papel crucial nessa resistência. Além disso, outros fatores modificáveis, como a redução do tabagismo, o controle do diabetes e da pressão arterial, também podem contribuir para a prevenção da doença.

A boa notícia é que esses fatores são passíveis de modificação, e melhorar as condições de vida da população pode reduzir o número de novos casos.

Nos últimos anos, houve avanços significativos no diagnóstico da Doença de Alzheimer, permitindo a medição das proteínas associadas à doença em pessoas vivas. Além disso, novos medicamentos estão sendo desenvolvidos, oferecendo esperança de tratamentos mais eficazes no futuro.

Os médicos destacam a importância de buscar ajuda médica ao primeiro sinal de problemas de memória, como perda de planejamento e confusão mental, para identificar a doença precocemente. Além disso, medidas de prevenção, como dormir adequadamente e praticar atividade física regularmente, são fundamentais para reduzir o risco de demência.

Os especialistas concordam que a conscientização, a prevenção e a identificação precoce são essenciais para lidar com o impacto crescente da Doença de Alzheimer no Brasil. Com a divulgação do 1º Relatório Nacional de Demências, espera-se que o país esteja mais bem preparado para enfrentar esse desafio crescente na saúde pública.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas notícias

Conteúdo protegido!

 

Você não tem permissão para copiar/reproduzir nosso conteúdo!

Enviar mensagem
1
Fale conosco
Envia sua notícia ou denúncia para a nossa equipe de jornalismo!