Ipem faz alerta sobre uso de GNV em automóveis

Primeiro semestre teve alta de 6,5% no número de veículos adaptados.

Publicidade

Mais lidas

O Instituto de Pesos e Medidas (Ipem) do estado de São Paulo lançou uma série de recomendações para garantir a segurança da instalação do kit de Gás Natural Veicular (GNV) nos automóveis. Em razão da alta no preço dos combustíveis, muitos motoristas têm buscado converter seus veículos para a utilização do gás veicular – geralmente, mais barato.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

De acordo com dados do Ministério da Infraestrutura, no primeiro semestre de 2022, houve aumento de 6,5% no número de veículos aprovados a utilizar o GNV no país, em relação a igual período de 2021. Em comparação a 2020, a alta foi de 47%.

Na última terça-feira (26), um veículo explodiu em posto de combustível, no Rio de Janeiro, enquanto era abastecido com GNV. O proprietário do veículo ficou gravemente ferido e morreu no dia seguinte. A causa da explosão está em investigação, mas o acidente também serve de alerta para cuidados e para a correta instalação do kit no veículo.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

Recomendações

Segundo o Ipem, o motorista interessado em fazer a conversão deverá, primeiramente, procurar uma oficina registrada no Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro). A relação de instaladores registrados pode ser consultada no site do Inmetro.

Após isso, é necessário providenciar autorização prévia do Departamento Estadual de Trânsito (Detran). Em seguida, o motorista deve escolher o kit de instalação de GNV compatível com seu veículo.

“O de terceira geração é indicado para motores aspirados ou com injeção eletrônica de mono ou multiponto. O kit de quinta geração é recomendado para veículos mais potentes e mais modernos. Se o veículo funcionar com injeção direta de combustível é usado o de sexta geração. As diversas gerações de kit´s possuem princípios de funcionamento, desempenho, manutenção e preços diferentes”, destaca o comunicado do Ipem.

O instituto também recomenda que nunca sejam utilizadas peças usadas de outros proprietários. De acordo com o Ipem, os componentes de origem desconhecida podem apresentar problemas sérios, como vazamentos e falta de adequação ao tipo do veículo.

“A única exceção permitida é a do cilindro de GNV, que pode ser novo ou requalificado, desde que tenha o respectivo certificado de requalificação. Também deve-se ter cuidado com produtos oferecidos em redes sociais ou comércio virtual quando não há clareza das informações do cilindro”, ressalta o instituto.

O Ipem recomenda que o motorista exija que a oficina faça uma inspeção no veículo antes da instalação. Problemas em velas, cabos, bateria, e na injeção eletrônica poderão comprometer a instalação do GNV e o desempenho geral do veículo.

Para motoristas do estado de São Paulo, o Detran oferece um passo a passo de como proceder para fazer a alteração de combustível no veículo.

Com informações da Agência Brasil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas notícias

Conteúdo protegido!

 

Você não tem permissão para copiar/reproduzir nosso conteúdo!

Enviar mensagem
1
Fale conosco
Envia sua notícia ou denúncia para a nossa equipe de jornalismo!