MPF abre procedimento para investigar fala de pastor sobre casamento homoafetivo

Ministério Público Federal no Acre apura possível prática de homofobia em culto transmitido pelas redes sociais da Igreja Batista da Lagoinha

Publicidade

Mais lidas

O Ministério Público Federal (MPF) no Acre anunciou, nesta terça-feira (4), a abertura de um procedimento para investigar as declarações do pastor André Valadão durante um culto transmitido pelas redes sociais da Igreja Batista da Lagoinha, no domingo (2).

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

De acordo com o MPF, o procurador Lucas Costa Almeida Dias, responsável pela Procuradoria dos Direitos do Cidadão (PRDC), decidiu iniciar a investigação após tomar conhecimento de matérias jornalísticas que divulgaram o vídeo com as falas polêmicas.

A investigação tem como objetivo apurar a possível prática de homofobia por parte do pastor. No trecho questionado da pregação, Valadão menciona os “valores cristãos” e condena o casamento homoafetivo. O culto ocorreu no campus da igreja em Orlando, nos Estados Unidos.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

Valadão declara: “Essa porta [casamento homoafetivo] foi aberta quando nós tratamos como normal aquilo que a bíblia já condena. Então, agora é hora de tomar as cordas de volta, dizendo não, não, não. Pode parar, reseta. E Deus fala: Não posso mais. Já meti esse arco-íris aí. Se eu pudesse, eu matava todo mundo a começava tudo de novo. Mas, prometi para mim mesmo que não posso, então, está com vocês. Vamos para cima. Eu e minha casa serviremos ao Senhor”.

Após a apuração dos fatos, o MPF tomará as medidas cabíveis, conforme afirmou o órgão.

Em resposta às críticas, André Valadão publicou um vídeo em suas redes sociais esclarecendo suas declarações. Ele afirmou que estava pregando a palavra de Deus em sua igreja e que suas falas estavam inseridas no contexto do texto bíblico do livro de Gênesis, que menciona a destruição da humanidade no dilúvio. Valadão explicou que ao usar a palavra “resetar”, referia-se a “levar a humanidade de volta para Deus”.

“Quando eu digo nós ressetarmos, eu não digo nós matarmos. Eu não digo nós aniquilarmos pessoas. O que eu digo é que cabe a nós levar o homem, o ser humano ao princípio que é a vontade de Deus. Cabe a nós, cristãos genuínos, erguermos nossa voz e deixarmos claro aquilo que é a vontade de Deus”, concluiu o pastor.

O MPF aguardará o desdobramento da investigação para tomar as devidas providências com base nos resultados obtidos.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas notícias

Conteúdo protegido!

 

Você não tem permissão para copiar/reproduzir nosso conteúdo!

Enviar mensagem
1
Fale conosco
Envia sua notícia ou denúncia para a nossa equipe de jornalismo!