Lei sancionada amplia atendimento prioritário no Brasil para pessoas com transtorno do espectro autista, mobilidade reduzida e doadores de sangue

Com a nova norma, aeroportos, bancos, cinemas, hospitais e outros serviços prestados ao público deverão atender primeiro esses grupos beneficiados pela Lei nº 14.626

Publicidade

Mais lidas

Nesta quinta-feira (20), o vice-presidente Geraldo Alckmin sancionou a Lei nº 14.626, que amplia significativamente o direito ao atendimento prioritário no Brasil. Aprovada pelo Congresso Nacional em junho deste ano, a legislação inclui pessoas com transtorno do espectro autista, com mobilidade reduzida e doadores de sangue na lista de grupos beneficiados, que agora terão prioridade em estabelecimentos como aeroportos, bancos, cinemas, hospitais e outros serviços prestados ao público.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

A nova lei estabelece que o atendimento prioritário poderá ser realizado através da disponibilização de postos, caixas, guichês, linhas ou atendentes específicos para esse fim. Caso o serviço não disponha de guichês próprios para atender esses grupos, a lei determina que eles sejam atendidos imediatamente após a conclusão do atendimento em andamento, antes de quaisquer outras pessoas.

Até então, apenas idosos, pessoas com deficiência, gestantes, lactantes, pessoas com crianças de colo e obesos tinham direito ao atendimento prioritário no Brasil. Com a sanção da Lei nº 14.626, a legislação ganha um caráter mais inclusivo, garantindo atenção especial a outros segmentos da sociedade.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

A medida também exige que empresas públicas de transporte e concessionárias de transporte coletivo reservem assentos devidamente identificados para autistas e pessoas com mobilidade reduzida, além dos já beneficiados pelas regras anteriores. Dessa forma, pretende-se garantir maior acessibilidade e conforto a esses grupos em seus deslocamentos.

O texto da lei também destaca o incentivo à doação de sangue no país, incluindo os doadores na lista de pessoas com direito ao atendimento prioritário. Para receber o benefício, os doadores deverão apresentar um comprovante de doação, com validade de 120 dias, nos termos da Lei nº 10.048, de 8 de novembro de 2000.

Com a sanção da Lei nº 14.626, o Brasil dá mais um passo em direção à construção de uma sociedade inclusiva e solidária, buscando garantir o respeito aos direitos e necessidades das pessoas com transtorno do espectro autista, mobilidade reduzida e dos doadores de sangue. A nova legislação representa um avanço importante na busca pela equidade e pela valorização da cidadania de todos os brasileiros.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas notícias

Conteúdo protegido!

 

Você não tem permissão para copiar/reproduzir nosso conteúdo!

Enviar mensagem
1
Fale conosco
Envia sua notícia ou denúncia para a nossa equipe de jornalismo!