Ministro do STF Cristiano Zanin vota contra descriminalização do porte de maconha para consumo pessoal

Ministro reconhece falhas no sistema penal, mas aponta "problemas jurídicos" na descriminalização

Publicidade

Mais lidas

Nesta quinta-feira (24), o ministro Cristiano Zanin, do Supremo Tribunal Federal (STF), proferiu um voto divergente em relação à descriminalização do porte de maconha e de demais drogas para consumo pessoal. Apesar de reconhecer as falhas do atual sistema penal, Zanin manifestou preocupações sobre os “problemas jurídicos” associados à medida e seus possíveis impactos no combate às drogas.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

No julgamento em questão, Zanin se posicionou como o primeiro a divergir da maioria dos ministros que votaram a favor da descriminalização. Enquanto reconheceu que o sistema penal atual não aplica a despenalização de maneira equitativa para indivíduos de diferentes estratos sociais, o ministro expressou suas preocupações quanto aos aspectos legais e possíveis consequências da medida.

“Não tenho dúvida de que os usuários de drogas são vítimas do tráfico e das organizações criminosas para exploração ilícita dessas substâncias. A descriminalização, ainda que parcial das drogas, poderá contribuir ainda mais para esse problema de saúde pública”, afirmou Zanin em seu voto.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

Curiosamente, apesar de sua posição contrária à descriminalização, o ministro propôs uma abordagem mais flexível em relação à quantidade de drogas considerada para uso pessoal em apreensões policiais. Zanin votou para estabelecer que 25 gramas de maconha ou seis plantas fêmeas de cannabis configurariam a situação de uso pessoal, uma perspectiva que parece procurar um equilíbrio entre a punição rigorosa e a compreensão das necessidades dos usuários.

O placar do julgamento até o momento é de 4 votos a 1 a favor da descriminalização do porte de maconha para uso pessoal. No entanto, a sessão ainda prossegue para a tomada dos votos dos demais ministros, o que pode potencialmente influenciar o resultado final.

O cerne do julgamento gira em torno da constitucionalidade do Artigo 28 da Lei das Drogas (Lei 11.343/2006), que estabelece penas alternativas para quem adquire, transporta ou porta drogas para consumo pessoal. Embora a lei não preveja pena de prisão para os usuários, a criminalização permanece, resultando em inquéritos policiais e processos judiciais para a imposição das penas alternativas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas notícias

Conteúdo protegido!

 

Você não tem permissão para copiar/reproduzir nosso conteúdo!

Enviar mensagem
1
Fale conosco
Envia sua notícia ou denúncia para a nossa equipe de jornalismo!