Novo terremoto atinge o Japão, aprofundando a crise pós-sismo de 1º de janeiro

Tremor de magnitude 6 seguido por réplica de 3.9 atinge região próxima à ilha de Sado, aumentando desafios após desastre anterior.

Publicidade

Mais lidas

O Japão enfrentou mais um momento difícil nesta terça-feira, 9 de janeiro, quando um novo terremoto de magnitude 6 na escala Richter atingiu a região, seguido por uma réplica de 3.9. De acordo com informações da Agência France Presse, o epicentro do tremor estava localizado debaixo d’água, a menos de 60 quilômetros a oeste da ilha japonesa de Sado, na mesma área do sismo devastador que ocorreu no primeiro dia do ano.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

O terremoto submarino foi sentido pouco antes das 18h, horário local, gerando preocupações adicionais para as autoridades da região, que já enfrentam os desafios decorrentes do sismo de 1º de janeiro. O abalo de magnitude 7,5, ocorrido na península de Noto, no extremo norte da península de Ishikawa, deixou um rastro de destruição, com o número de mortos atualizado nas últimas horas para 202 e 102 pessoas ainda desaparecidas.

Mais de 1.200 réplicas seguiram o sismo inicial, provocando desabamentos de edifícios, incêndios e danos às infraestruturas. Uma semana após o desastre, mais de 3 mil habitantes da península continuam isolados, enfrentando as adversidades climáticas que dificultam a chegada de ajuda, como chuva e neve que bloqueiam estradas e causam deslizamentos de terra.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

Atualmente, mais de 28 mil pessoas permanecem em cerca de 400 abrigos criados para apoiar os desalojados, enfrentando condições desafiadoras de superlotação, escassez de comida e aquecimento precário. Cerca de 60 mil residências continuam sem acesso à água potável, e quase 15 mil estão sem eletricidade nesta terça-feira.

Diante desse cenário desafiador, o primeiro-ministro japonês, Fumio Kishida, fez um apelo urgente aos ministros para resolverem a situação das comunidades ainda isoladas na península de Noto e persistirem tenazmente nas operações de salvamento. O governo busca transferir os desalojados para centros fora das zonas de catástrofe, onde o abastecimento de bens de primeira necessidade não seja um problema.

O sismo de 1º de janeiro já é considerado o mais grave no Japão desde 2011, quando um terremoto de magnitude 9 provocou um tsunami, resultando em mais de 20 mil mortos e desencadeando o desastre nuclear de Fukushima. A nação agora enfrenta um duplo desafio, lidando não apenas com as consequências imediatas do novo terremoto, mas também com a intensificação da crise humanitária desencadeada pela catástrofe anterior.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas notícias

Conteúdo protegido!

 

Você não tem permissão para copiar/reproduzir nosso conteúdo!

Enviar mensagem
1
Fale conosco
Envia sua notícia ou denúncia para a nossa equipe de jornalismo!