Terremoto no Japão: 48 mortos e 14 feridos graves em desastre que assola o país

Autoridades suspendem alertas de tsunami enquanto o Japão enfrenta os impactos devastadores dos tremores

Publicidade

Mais lidas

O primeiro dia do ano no Japão foi marcado por uma série avassaladora de eventos sísmicos, deixando um rastro de destruição e tragédia. O último balanço oficial indica que 48 pessoas perderam a vida, enquanto outras 14 enfrentam ferimentos graves em decorrência do terremoto que atingiu o centro do país.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

Ao longo das últimas 24 horas, o Japão registrou impressionantes 155 tremores, destacando-se um abalo de magnitude 7,6 e outro acima de 6 na escala Richter. Nas últimas horas, um novo sismo de magnitude 5 foi adicionado a essa sequência alarmante.

O impacto foi particularmente sentido no centro do país, onde o número de vítimas continua a aumentar, atingindo 48 mortos e 14 feridos graves, conforme reportado pelas autoridades locais citadas pela Reuters. Mais de 32 mil famílias permanecem sem energia, enquanto estradas vitais foram fechadas nas proximidades do epicentro, e os serviços de trem-bala de Tóquio foram suspensos.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

A cidade costeira de Suzu, localizada próxima ao epicentro, enfrenta uma situação crítica, com o presidente da autarquia local, Masuhiro Izumiya, estimando que cerca de mil casas podem ter sido destruídas. Militares, bombeiros e policiais de todo o país foram mobilizados para a península de Noto, na província de Ishikawa, onde a destruição é mais intensa.

O primeiro-ministro do Japão, Fumio Kishida, descreveu os danos como “extensos com inúmeras vítimas” durante uma reunião de emergência. Ele destacou a urgência das operações de resgate, afirmando que estão numa “batalha contra o tempo” para salvar possíveis sobreviventes dos escombros. Os Estados Unidos se manifestaram prontos para oferecer assistência ao Japão, reforçando os laços de amizade entre os dois países.

O presidente norte-americano, Joe Biden, expressou solidariedade, afirmando: “Nossos pensamentos estão com o povo japonês neste momento difícil”. Enquanto isso, o Imperador Naruhito cancelou a celebração pública do Ano Novo, reconhecendo a gravidade da situação.

Em relato dramático, Tsugumasa Mihara, de 73 anos, residente em Shika, compartilhou a intensidade do momento em que a terra tremeu: “Foi um choque muito forte. Que forma terrível de começar o ano”. A nação agora se mobiliza em uma corrida contra o tempo para enfrentar os desafios impostos por essa tragédia natural sem precedentes.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas notícias

Conteúdo protegido!

 

Você não tem permissão para copiar/reproduzir nosso conteúdo!

Enviar mensagem
1
Fale conosco
Envia sua notícia ou denúncia para a nossa equipe de jornalismo!