Parlamentares da CCJ do Senado aprovam projeto do marco temporal para demarcação de terras indígenas

Debate acalorado e votação dividida marcam aprovação do PL 2.903/2023, enquanto questões jurídicas permanecem em pauta

Publicidade

Mais lidas

Na tarde desta quarta-feira, 27 de setembro, a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado Federal aprovou, por 16 votos a favor e 10 contrários, o Projeto de Lei (PL) 2.903/2023, que propõe o estabelecimento do marco temporal para a demarcação de terras indígenas. O projeto, que tem gerado intensos debates e controvérsias, determina que os povos indígenas terão direito ao usufruto exclusivo apenas das terras que já ocupavam ou reivindicavam em 5 de outubro de 1988, data da promulgação da Constituição Federal vigente.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

A votação aconteceu após mais de quatro horas de discussões acaloradas entre os membros da comissão. Além de aprovar o texto do PL, os parlamentares também decidiram que o projeto será encaminhado ao Plenário do Senado em regime de urgência.

A aprovação do PL 2.903/2023 ocorre uma semana após uma decisão polêmica do Supremo Tribunal Federal (STF), que por 9 votos a 2, considerou inconstitucional a limitação do direito de comunidades indígenas ao usufruto exclusivo das terras com base na data de promulgação da Constituição Federal.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

Nesta quarta-feira, o STF retomou a análise de outros aspectos relacionados à demarcação de terras indígenas, como a possibilidade de indenização a particulares que adquiriram terras em áreas reivindicadas por povos indígenas, e se o pagamento seria condicionado à desocupação das áreas pelos proprietários.

O PL 2.903/2023, que engloba o marco temporal e outras questões semelhantes às discutidas no STF, dividiu opiniões entre os senadores. Aqueles favoráveis ao projeto argumentam que a decisão do STF não retira do Congresso Nacional a competência de legislar sobre o tema.

“É importante lembrar que a Constituição Federal é muito clara em relação às competências do STF e do Poder Legislativo. Não podemos aceitar o argumento de que o Congresso está desafiando uma decisão do STF”, comentou o senador Marcos Rogério (PL-RO), relator do PL 2.903 na CCJ.

Por outro lado, os parlamentares contrários ao marco temporal criticaram a legalidade da proposta aprovada. “É preocupante a persistência da CCJ do Senado em legislar com entendimento contrário à decisão do STF com repercussão geral. Isso parece não fazer sentido em um projeto de lei. Faria mais sentido se fosse uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC)”, ressaltou o senador Alessandro Vieira (MDB-SE), acrescentando que muitos acreditam que a iniciativa será invalidada pelo Poder Judiciário.

Antes da votação do PL, o senador Marcos Rogério apresentou seu parecer sobre as 49 emendas apresentadas ao projeto original, recomendando a rejeição de todas elas. Entre as emendas, uma delas tentava reverter a autorização para o cultivo de organismos geneticamente modificados em terras indígenas, enquanto outra buscava restringir o contato com povos isolados apenas a prestadores de auxílio médico em casos de risco iminente.

Rogério também defendeu a possibilidade de comunidades indígenas explorarem o turismo em seus territórios, argumentando que isso é respaldado pela doutrina especializada em direito indígena.

No entanto, a senadora Eliziane Gama (PSD-MA), contrária ao PL, criticou o texto aprovado pela CCJ, argumentando que ele prejudica os povos indígenas, especialmente aqueles em situação de isolamento, ao permitir o acesso sem critério de saúde pública e premiar a ocupação irregular de territórios tradicionais. Ela alertou que o projeto pode agravar os conflitos fundiários e aumentar a violência contra os povos indígenas no Brasil.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas notícias

Conteúdo protegido!

 

Você não tem permissão para copiar/reproduzir nosso conteúdo!

Enviar mensagem
1
Fale conosco
Envia sua notícia ou denúncia para a nossa equipe de jornalismo!