Brasil atinge marca de 203 milhões de habitantes, revela Censo 2022

População cresceu 12,3 milhões em relação a 2010, registrando o menor aumento desde 1872, aponta IBGE

Publicidade

Mais lidas

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou nesta quarta-feira (28) os primeiros resultados do Censo Demográfico 2022, revelando que a população do Brasil atingiu a marca de 203.062.512 pessoas. Esse número representa um aumento de 12,3 milhões de habitantes em relação à última coleta, realizada em 2010. No entanto, o crescimento médio da população nos últimos anos, de 6,5%, é o menor registrado no país desde o primeiro censo realizado em 1872.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

Os dados, que têm como data de referência o dia 31 de julho de 2022, fornecem informações sobre os totais populacionais e domiciliares do país em diferentes níveis geográficos. Segundo o IBGE, os resultados apresentam também diversos indicadores derivados dessas informações, como a média de moradores por domicílio, a densidade demográfica e a taxa de crescimento anual da população.

A Região Sudeste se manteve como a mais populosa, com 84,8 milhões de habitantes, representando 41,8% da população do país. Em seguida, estão o Nordeste (26,9%), Sul (14,7%) e Norte (8,5%). A região menos populosa é a Centro-Oeste, com 16,3 milhões de habitantes ou 8,02% da população nacional.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

Ao analisar o crescimento anual da população entre os censos de 2010 e 2022, observa-se que o Centro-Oeste registrou o maior crescimento, com uma taxa média de 1,2% ao ano nos últimos 12 anos. O Norte, que era a região de maior crescimento nas últimas décadas, perdeu essa posição para o Centro-Oeste, que apresentou um crescimento de 23% ao ano nesse período.

O Nordeste e o Sudeste, por outro lado, registraram os menores crescimentos populacionais, com taxas inferiores à média nacional de 0,52% ao ano. O IBGE destaca que essa redução do crescimento populacional é uma tendência histórica e que as taxas calculadas para as cinco grandes regiões do país são mais baixas que as dos períodos anteriores.

Em relação aos estados, São Paulo, Minas Gerais e Rio de Janeiro são os três mais populosos, concentrando 39,9% da população brasileira. São Paulo sozinho representa 21% da população total, com 44,4 milhões de habitantes. Roraima continua sendo o estado menos populoso, com 636.303 habitantes, seguido do Amapá e do Acre. Entre 2010 e 2022, 14 estados e o Distrito Federal tiveram taxas médias de crescimento anual acima da média nacional.

O Censo 2022 também revelou um aumento no número de domicílios no país, totalizando 90,7 milhões, o que representa um aumento de 34% em relação a 2010. Os domicílios foram classificados em diferentes categorias, de acordo com sua espécie, levando em consideração a situação de seus moradores na data de referência da operação. Houve um aumento significativo tanto nos domicílios particulares permanentes vagos (87%) quanto nos domicílios de uso ocasional (70%) nos últimos 12 anos.

A densidade demográfica do país foi estimada em 23,8 habitantes por quilômetro quadrado. Essa densidade varia consideravelmente entre as regiões, com o Norte apresentando a menor média, de 4,5 habitantes por quilômetro quadrado, e o Sudeste a maior média, com 91,8 habitantes por quilômetro quadrado.

Em relação à densidade domiciliar, que representa a relação entre moradores nos domicílios particulares permanentes ocupados e o número de domicílios, houve uma queda de 18,7% entre 2010 e 2022, passando de 3,3 moradores por domicílio para 2,8 moradores por domicílio.

O Censo 2022 coletou um total de 62.388.143 questionários básicos, que representam 88,9% do total. Os domicílios particulares permanentes ocupados totalizaram 72,4 milhões, representando 80% dos domicílios particulares permanentes recenseados.

Esses são os primeiros resultados do Censo Demográfico 2022, fornecendo uma visão geral da população e dos domicílios no Brasil. Mais informações e análises detalhadas serão divulgadas pelo IBGE nos próximos meses, permitindo um maior entendimento das transformações demográficas ocorridas no país nos últimos anos.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas notícias

Conteúdo protegido!

 

Você não tem permissão para copiar/reproduzir nosso conteúdo!

Enviar mensagem
1
Fale conosco
Envia sua notícia ou denúncia para a nossa equipe de jornalismo!