Ministros e parlamentares condenam agressão ao ministro do STF em aeroporto em Roma

Flávio Dino e Rodrigo Pacheco utilizaram as redes sociais para repudiar o ato de violência e exigir punição aos agressores

Publicidade

Mais lidas

O ministro da Justiça e Segurança Pública, Flávio Dino, e o presidente do Congresso Nacional, Rodrigo Pacheco, manifestaram-se nas redes sociais neste sábado (15) para condenar veementemente a agressão sofrida pelo ministro do Supremo Tribunal Federal, Alexandre de Moraes, e sua família em um aeroporto na capital italiana. O incidente ocorreu quando o magistrado foi hostilizado e seu filho acabou sendo agredido com um soco no rosto.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

Dino expressou sua indignação em sua conta no Twitter, questionando até quando indivíduos extremistas agirão de maneira violenta contra agentes públicos, mesmo quando estes estão acompanhados de suas famílias. O ministro da Justiça classificou o comportamento dos agressores como criminoso e demonstrou repúdio por aqueles que acreditam poder fazer qualquer coisa apenas por possuírem dinheiro no bolso. Ele também criticou a falta de educação elementar dessas pessoas, que desejam ser consideradas parte de uma “elite”.

Rodrigo Pacheco, por sua vez, utilizou a mesma plataforma para condenar o ato de agressão, considerando-o inaceitável. O presidente do Congresso Nacional destacou que esse tipo de comportamento afasta o país do progresso almejado, além de minar os pilares fundamentais das instituições, da democracia e das relações pacíficas. Pacheco enfatizou a importância de todos os setores da sociedade colaborarem para manter o antagonismo restrito ao campo das ideias e das ações legítimas, ressaltando a necessidade de substituir o ódio pelo respeito e, se possível, pelo amor.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

Diversos outros parlamentares também se manifestaram a respeito do incidente. A deputada Gleisi Hoffmann (PT-PR) e a deputada Jandira Feghali (PCdoB-RJ) estão entre aqueles que condenaram o ato de violência. Jandira destacou que essa agressão é resultado do ódio e da ignorância daqueles que alimentam um projeto autoritário e antidemocrático para o país. Ambas demonstraram solidariedade ao ministro Alexandre de Moraes e sua família.

O senador Renan Calheiros (MDB-AL), autor de uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que atribui ao STF a competência para julgar ações antidemocráticas, declarou que buscará votar o texto no próximo mês. Calheiros argumentou que a agressão sofrida pelo ministro Alexandre de Moraes reforça a necessidade de punir os crimes de ódio, alguns dos quais já são tipificados. Ele ressaltou a importância de enquadrar a intolerância política, mencionando o “pacote da Democracia” que propôs e sua intenção de procurar o relator Veneziano do Rego e o presidente para votarem a proposta em agosto.

O ataque ao ministro Alexandre de Moraes gerou uma forte reação dos representantes políticos, que expressaram sua indignação diante da violência sofrida por um membro do Supremo Tribunal Federal e sua família. As autoridades esperam que os agressores sejam identificados e punidos rigorosamente de acordo com a lei. A solidariedade ao magistrado e sua família é evidente em todas as manifestações, ressaltando a importância de preservar as instituições democráticas e promover o respeito mútuo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas notícias

Conteúdo protegido!

 

Você não tem permissão para copiar/reproduzir nosso conteúdo!

Enviar mensagem
1
Fale conosco
Envia sua notícia ou denúncia para a nossa equipe de jornalismo!