Lula e Biden lançam parceria para promoção do “trabalho digno” em encontro em Nova York

Presidentes do Brasil e dos Estados Unidos assinam protocolo inédito visando combater a precarização do trabalho e promover direitos dos trabalhadores

Publicidade

Mais lidas

Os presidentes Luiz Inácio Lula da Silva, do Brasil, e Joe Biden, dos Estados Unidos, anunciaram nesta quarta-feira (20) uma parceria inovadora com o objetivo de promover o “trabalho digno” em todo o mundo. A iniciativa, denominada “Parceria pelos Direitos dos Trabalhadores”, marca um marco na cooperação entre os dois países e tem como foco combater a precarização do trabalho e fortalecer os direitos dos trabalhadores.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

No lançamento da iniciativa, realizado na cidade de Nova York, Biden enfatizou a importância de uma força trabalhista forte para garantir a equidade econômica. Ele afirmou: “Não queremos só que uma classe se saia bem, queremos que os pobres tenham a oportunidade de subir na vida. Os ricos não pagam impostos suficientes. Essa visão é impulsionada por uma força trabalhista forte. Orgulho-me que meu governo tem sido caracterizado com o mais pró-sindicato na história dos EUA.”

A Parceria pelos Direitos dos Trabalhadores estabelece diretrizes essenciais para a promoção do trabalho digno, incluindo a proteção dos direitos trabalhistas, o combate à discriminação no local de trabalho e a promoção do trabalho decente nos setores público e privado. Além disso, a iniciativa busca abordar os desafios da transição para a energia limpa e promover o uso responsável da tecnologia e da transição digital em prol do trabalho decente.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

Em seu discurso, o ex-presidente brasileiro Luiz Inácio Lula da Silva destacou o caráter histórico da parceria e ressaltou os desafios atuais para promover o trabalho digno em um mundo marcado pela precarização do trabalho. “O saldo é que nós temos 2 bilhões de trabalhadores que estão no setor informal, segundo a OIT [Organização Internacional do Trabalho]. É inaceitável que mulheres, minorias étnicas e pessoas LGBTQIA+ sejam discriminadas no mercado de trabalho”, afirmou Lula.

Lula também defendeu o papel fundamental dos sindicatos na defesa dos direitos dos trabalhadores, afirmando: “Não há democracia sem sindicato forte. Porque o sindicato é efetivamente quem fala pelo trabalhador para tentar defender os seus direitos.”

Ambos os presidentes se comprometeram a impulsionar a adesão de outros países à Parceria pelos Direitos dos Trabalhadores e a trabalhar juntos para reverter a exploração no mercado de trabalho. Além disso, planejam estabelecer uma agenda centrada na importância dos trabalhadores em instituições multilaterais como o G20, a COP 28 e a COP 30.

Antes do lançamento da iniciativa, Lula e Biden tiveram um encontro bilateral, no qual discutiram a cooperação entre Brasil e Estados Unidos no enfrentamento da crise climática e no apoio à preservação da Amazônia e dos ecossistemas da América Latina. Lula enfatizou a importância de criar oportunidades de trabalho de qualidade para a juventude como forma de estimular a esperança na sociedade.

O presidente brasileiro está em Nova York para participar da Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU), onde na terça-feira (19) criticou o neoliberalismo e defendeu a importância de proteger os direitos dos trabalhadores em todo o mundo. Ele também destacou a necessidade de combater a desinformação e os crimes cibernéticos, garantindo que as leis trabalhistas não sejam abolidas por aplicativos e plataformas digitais.

Após uma série de encontros com autoridades estrangeiras e empresários, Lula retorna ao Brasil ainda nesta quarta-feira, encerrando sua participação na 78ª Assembleia Geral da ONU.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas notícias

Conteúdo protegido!

 

Você não tem permissão para copiar/reproduzir nosso conteúdo!

Enviar mensagem
1
Fale conosco
Envia sua notícia ou denúncia para a nossa equipe de jornalismo!