Endividamento das famílias brasileiras diminui, mas inadimplência aumenta, revela pesquisa da CNC

Em agosto, o índice de endividamento das famílias brasileiras registrou queda pelo segundo mês consecutivo

Publicidade

Mais lidas

O endividamento das famílias brasileiras teve uma redução significativa em agosto, caindo para 77,4%, o menor nível desde junho de 2022, de acordo com a Pesquisa Nacional de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (Peic) divulgada pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) nesta terça-feira (9). No entanto, a pesquisa revelou uma tendência preocupante: o aumento da inadimplência, com 30% das pessoas relatando contas atrasadas.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

A economista responsável pela Peic, Izis Ferreira, destacou que dois fatores contribuíram para a redução do endividamento. Primeiramente, um contexto de inflação mais baixa em comparação com o ano anterior e um mercado de trabalho que se mostrou resiliente, absorvendo pessoas com menor grau de instrução, permitindo-lhes uma folga no orçamento. Isso resultou em um menor número de pessoas recorrendo ao crédito para o consumo de bens e serviços.

Por outro lado, a proporção de inadimplentes atingiu 30%, igualando o resultado de dezembro de 2022. Izis Ferreira enfatizou que muitos consumidores estão enfrentando dificuldades para pagar várias modalidades de dívidas dentro do prazo de vencimento, o que torna a situação ainda mais desafiadora.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

Outro dado alarmante revelado pela pesquisa é o aumento no número de consumidores que afirmam não conseguir pagar suas contas atrasadas, mantendo-se inadimplentes. Essa proporção atingiu 12,7%, a mais alta da série histórica iniciada em janeiro de 2010, afetando principalmente aqueles com renda de até três salários mínimos.

A pesquisa da CNC também destacou o cartão de crédito como a principal fonte de endividamento das famílias brasileiras, com 85,5% dos consumidores endividados utilizando essa modalidade. Em seguida, as principais formas de dívida incluem carnês (17,1%), crédito pessoal (9,2%) e financiamentos de carros (7,9%) e casas (7,5%).

Os dados da Peic mostraram que o tempo médio de comprometimento com dívidas é de 6,9 meses, enquanto o tempo médio de atraso nos pagamentos é de 63 dias. A parcela da renda comprometida com dívidas atingiu 29,9%.

A CNC estima que a proporção de endividados continue a cair nos próximos meses, aproximando-se de 77% entre setembro e outubro. No entanto, prevê um aumento no endividamento na reta final de 2023, encerrando o ano próximo a 78% do total de famílias endividadas. A pesquisa ressalta a necessidade de os consumidores gerenciarem suas dívidas de forma responsável, especialmente em um cenário de aumento da inadimplência.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas notícias

Conteúdo protegido!

 

Você não tem permissão para copiar/reproduzir nosso conteúdo!

Enviar mensagem
1
Fale conosco
Envia sua notícia ou denúncia para a nossa equipe de jornalismo!