Senado recorre ao STF contra restrições ao piso nacional da enfermagem

Advocacia do Senado alega violação da separação de poderes e busca aplicação plena da Lei nº 14.434/2022

Publicidade

Mais lidas

O Senado Federal protocolou uma ação de embargo de declaração no Supremo Tribunal Federal (STF) nesta quinta-feira (31), contestando a decisão que impôs restrições ao pagamento do piso nacional da enfermagem. A Advocacia do Senado argumenta que a decisão do STF configura uma “verdadeira atividade legislativa por parte do Poder Judiciário” e viola o princípio da separação dos poderes, buscando assim a aplicação “plena e imediata” da Lei nº 14.434/2022, que estabeleceu o piso salarial nacional para a categoria.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

A decisão do STF, que impactou o pagamento do piso da enfermagem, trouxe mudanças significativas, incluindo a necessidade de assistência financeira complementar da União para o setor público nos estados e municípios e a aprovação do valor em acordo coletivo para o setor privado. Além disso, o Supremo determinou que o piso fosse aplicado apenas aos profissionais com uma carga horária semanal de 44 horas, reduzindo o valor salarial para aqueles com carga inferior.

O Senado argumenta que a decisão do STF não formou uma maioria de votos na Corte, destacando que a tese jurídica vencedora contou apenas com os votos de quatro ministros: Roberto Barroso, Cármen Lúcia, Gilmar Mendes e André Mendonça.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

Sobre a necessidade de a União arcar com os custos extras do piso nacional, a Advocacia do Senado defende que a definição das fontes de receita para o custeio da saúde é uma competência legislativa dos estados, do Distrito Federal e dos municípios, não apenas da União.

O Senado também questiona a condicionante de aprovação do valor em acordo coletivo para o setor privado, argumentando que isso cria uma contradição em relação à norma constitucional. A Emenda Constitucional nº 127/2022 “constitucionalizou o piso salarial nacional dos profissionais da enfermagem”, e os advogados do Senado argumentam que acordos e negociações coletivas de trabalho não podem restringir a proteção constitucional.

Além disso, a ação do Senado considera que a decisão do STF viola a isonomia entre os profissionais da enfermagem do setor público e do privado.

O novo piso para enfermeiros é de R$ 4.750, conforme definido pela Lei nº 14.434/2022. Técnicos de enfermagem recebem, no mínimo, 70% desse valor (R$ 3.325), enquanto auxiliares de enfermagem e parteiras recebem 50% (R$ 2.375). A Lei estabelece que o piso é válido tanto para trabalhadores do setor público quanto do setor privado.

O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), destacou nas redes sociais que a iniciativa visa implementar o piso “nos moldes do que foi decidido pelo Congresso Nacional.”

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas notícias

Conteúdo protegido!

 

Você não tem permissão para copiar/reproduzir nosso conteúdo!

Enviar mensagem
1
Fale conosco
Envia sua notícia ou denúncia para a nossa equipe de jornalismo!