Ministro Alexandre de Moraes mantém prisão preventiva de suspeitos de ameaças contra sua família e se declara impedido para julgá-los

Moraes justifica prisão por risco à ordem pública e continua investigação sobre tentativa de abolição do Estado Democrático de Direito

Portal Itapipoca Portal Itapipoca
2 Min Read
- PUBLICIDADE -

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), decidiu neste sábado (1º) manter a prisão preventiva de Raul Fonseca de Oliveira e Oliveirino de Oliveira Júnior, suspeitos de ameaçar a integridade física de sua família. No entanto, Moraes se declarou impedido de julgá-los em relação a essas ameaças específicas, alegando ser parte interessada no caso.

- CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE -

Moraes optou por manter o sigilo das investigações sobre as ameaças. Ele justificou a decisão de manter os suspeitos presos, afirmando que os autos indicam atos destinados a “restringir o exercício livre da função judiciária”, especialmente no contexto das apurações dos atos golpistas ocorridos em 8 de janeiro de 2023.

- CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE -

Para o ministro, “a manutenção das prisões preventivas é a medida razoável, adequada e proporcional para garantia da ordem pública, com a cessação da prática criminosa reiterada”. Além disso, Moraes continuará à frente do inquérito que apura o crime de tentativa de abolição do Estado Democrático de Direito, conforme o Art. 359-L do Código Penal, pelo qual os dois suspeitos foram detidos pela Polícia Federal na sexta-feira (31).

Em relação aos crimes de ameaça e perseguição (Art. 147 e 147-A do Código Penal) contra sua família, Moraes se declarou impedido de julgar, justificando que, nesse aspecto, ele é diretamente interessado e, portanto, não pode atuar como julgador. É a primeira vez que o ministro reconhece o impedimento em um caso relacionado à tentativa de golpe.

A decisão de manter a prisão dos suspeitos foi embasada, entre outros elementos, em parecer da Procuradoria-Geral da República (PGR), que destacou o teor das mensagens trocadas pelos suspeitos, mencionando “comunismo” e “antipatriotismo”. Segundo a PGR, essas comunicações evidenciam a intenção de, por meio de graves ameaças aos familiares de Moraes, restringir o livre exercício de sua função judiciária nas investigações dos atos que culminaram na tentativa de abolição do Estado Democrático de Direito em janeiro de 2023.

Compartilhe
Deixe um comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

- Advertisement -

Conteúdo protegido!

 

Você não tem permissão para copiar/reproduzir nosso conteúdo!

Enviar mensagem
1
Fale conosco
Envia sua notícia ou denúncia para a nossa equipe de jornalismo!