Governo bloqueia mais R$ 1,5 bilhão do Orçamento devido à possibilidade de estouro do teto de gastos

Estimativas indicam aumento do déficit primário e redução nas receitas primárias totais da União

Publicidade

Mais lidas

Em resposta ao crescente risco de estouro no teto federal de gastos, o governo anunciou hoje um novo contingenciamento de R$ 1,5 bilhão do Orçamento Geral da União de 2023. Essa medida é a segunda deste ano e eleva o total bloqueado para R$ 3,2 bilhões, num esforço para manter o equilíbrio fiscal do país. O valor consta no Relatório Bimestral de Avaliação de Receitas e Despesas, documento que orienta a execução do Orçamento e é publicado a cada dois meses.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

Em maio, o governo já havia contingenciado R$ 1,7 bilhão, mas o recente aumento nas estimativas de despesas primárias acima do teto de gastos, no mesmo montante de R$ 1,5 bilhão, tornou necessária a adoção de novas medidas de contenção. Apesar da Emenda Constitucional da Transição, que abolia as metas fiscais para 2023, o teto de gastos continua em vigor até que o novo arcabouço fiscal seja aprovado pelo Congresso.

Viviane Varga, secretária adjunta do Tesouro Nacional, afirmou que as projeções de receita devem melhorar nos próximos relatórios, graças à incorporação de medidas já aprovadas ou em processo de aprovação pelo Congresso. Entre elas, destaca-se o projeto que altera o sistema de votações no Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (Carf) e o novo arcabouço fiscal.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

O relatório também trouxe uma revisão na estimativa de déficit primário, aumentando-o em R$ 9,2 bilhões. O déficit primário representa o resultado negativo das contas do governo, excluindo os juros da dívida pública. Com a revisão, a nova estimativa é de R$ 145,4 bilhões, ficando abaixo da meta de R$ 238 bilhões estabelecida pela Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) de 2023 para o Governo Central, que inclui Tesouro Nacional, Previdência Social e Banco Central.

Uma das principais razões para o aumento no déficit primário foi a queda da arrecadação da Previdência Social, causada pelo menor crescimento da massa salarial decorrente dos altos juros. O ministro da Fazenda, Fernando Haddad, que havia previsto um déficit em torno de R$ 100 bilhões para 2023 no início do ano, viu suas estimativas superadas.

Outro ponto destacado no relatório foi a redução das previsões para as receitas primárias totais da União em R$ 800 milhões. A arrecadação da Previdência Social teve uma queda de R$ 9,3 bilhões, mas parte dessa diminuição foi compensada pelo aumento na receita de tributos associados ao lucro, como Imposto de Renda Pessoa Jurídica e Contribuição Social sobre o Lucro Líquido, e por depósitos judiciais da Caixa Econômica Federal.

Enquanto as despesas obrigatórias não foram contingenciadas, a estimativa foi elevada em R$ 7,2 bilhões. Desse valor, R$ 4,6 bilhões correspondem aos repasses a estados em virtude do acordo com o Supremo Tribunal Federal (STF) para a compensação da queda do Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) sobre os combustíveis. Também houve aumento de R$ 2,4 bilhões na estimativa com benefícios da Previdência Social e R$ 1,2 bilhão em subsídios e subvenções.

Por outro lado, a previsão de gastos com o funcionalismo público caiu R$ 1,9 bilhão devido à redução no pagamento de precatórios, que são gastos determinados por sentença judicial definitiva.

Até o dia 31, o governo deverá editar um decreto detalhando a distribuição do novo contingenciamento entre os ministérios, buscando manter o equilíbrio fiscal e evitar o estouro do teto de gastos enquanto aguarda a aprovação do novo arcabouço fiscal pelo Congresso.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas notícias

Conteúdo protegido!

 

Você não tem permissão para copiar/reproduzir nosso conteúdo!

Enviar mensagem
1
Fale conosco
Envia sua notícia ou denúncia para a nossa equipe de jornalismo!